terça-feira, 29 de setembro de 2015

Percy Bysshe Shelley - Ozymandias




Percy Bysshe Shelley - Ozymandias

Poesia em Inglês com Legenda em Português




Percy Bysshe Shelley - Ozymandias


I met a traveller from an antique land
Who said:—Two vast and trunkless legs of stone
Stand in the desert. Near them on the sand,
Half sunk, a shatter'd visage lies, whose frown

And wrinkled lip and sneer of cold command
Tell that its sculptor well those passions read
Which yet survive, stamp'd on these lifeless things,
The hand that mock'd them and the heart that fed.

And on the pedestal these words appear:
"My name is Ozymandias, king of kings:
Look on my works, ye mighty, and despair!"

Nothing beside remains: round the decay
Of that colossal wreck, boundless and bare,
The lone and level sands stretch far away.



Percy Bysshe Shelley - Ozymandias (PT)


Eu encontrei um viajante de uma terra antiga
Que disse:—Duas gigantescas pernas de pedra sem torso
Erguem-se no deserto. Perto delas na areia,
Meio afundada, jaz um rosto partido, cuja expressão

E lábios franzidos e escárnio de frieza no comando
Dizem que seu escultor bem aquelas paixões leu
Que ainda sobrevivem, estampadas nessas partes sem vida,
A mão que os zombava e o coração que os alimentava.

E no pedestal estas palavras aparecem:
"Meu nome é Ozymandias, rei dos reis:
Contemplem minhas obras, ó poderosos, e desesperai-vos!"

Nada resta: junto à decadência
Das ruínas colossais, ilimitadas e nuas
As areias solitárias e inacabáveis estendem-se à distância.

Percy Bysshe Shelley (1792—1822)

foi um dos mais importantes poetas românticos ingleses.

















Links


Sanderlei Silveira (website)

Curso de Inglês (Blogger)

Curso de Espanhol (Blogger)

Audio Livro (Blogger)

Audio Book (Blogger)

Euclides da Cunha - Os Sertões (Blogger)

Lima Barreto - Contos (Blogger)

Poesia (PT) - Poetry (EN) - Poesía (ES) - Poésie (FR) (Blogger)

Poetry (EN) - Poesia (PT) - Poesía (ES) - Poésie (FR) (Blogger)

Poesía (ES) - Poetry (EN) - Poesia (PT) - Poésie (FR) (Blogger)

ssconsult.com.br

ss-solucoes.com

Elizabeth Barrett Browning - Sonnet 43 - How Do I Love Thee?






Elizabeth Barrett Browning - Sonnet 43 - How Do I Love Thee?


Poesia em Inglês com Legenda em Português




Elizabeth Barrett Browning - Sonnet 43 - How Do I Love Thee?


How do I love thee? Let me count the ways.
I love thee to the depth and breadth and height
My soul can reach, when feeling out of sight
For the ends of being and ideal grace.

I love thee to the level of every day’s
Most quiet need, by sun and candle-light.
I love thee freely, as men strive for right.
I love thee purely, as they turn from praise.

I love thee with the passion put to use
In my old griefs, and with my childhood’s faith.
I love thee with a love I seemed to lose

With my lost saints. I love thee with the breath,
Smiles, tears, of all my life; and, if God choose,
I shall but love thee better after death.

Elizabeth Barrett Browning (1806—1861)

was one of the most prominent English poets of the Victorian era.




Elizabeth Barrett Browning - Soneto 43 - Como te amo?


Como te amo? Deixa-me contar os modos.
Amo-te ao mais fundo, amplo e alto que
Minh'alma pode alcançar, além dos limites visíveis
E fins do Ser e da Graça ideal.

Amo-te até ao nível das mais diárias
E ínfimas necessidades, à luz do sol e das velas.
Amo-te com liberdade, como os homens buscam por Justiça;
Amo-te com pureza, como voltam das Preces.

Amo-te com a paixão posta em uso
Nas minhas velhas mágoas e com a fé da minha infância.
Amo-te com um amor que me parecia perdido

Com meus Santos perdidos - amo-te com o fôlego,
Sorrisos, lágrimas, de toda a minha vida! - e, se Deus quiser,
Amar-te-ei melhor depois da morte.

Elizabeth Barrett Browning (1806—1861).

Foi uma poetisa inglesa da época vitoriana.

Mulher do poeta Robert Browning.









Links


Sanderlei Silveira (website)

Curso de Inglês (Blogger)

Curso de Espanhol (Blogger)

Audio Livro (Blogger)

Audio Book (Blogger)

Euclides da Cunha - Os Sertões (Blogger)

Lima Barreto - Contos (Blogger)

Poesia (PT) - Poetry (EN) - Poesía (ES) - Poésie (FR) (Blogger)

Poetry (EN) - Poesia (PT) - Poesía (ES) - Poésie (FR) (Blogger)

Poesía (ES) - Poetry (EN) - Poesia (PT) - Poésie (FR) (Blogger)

ssconsult.com.br

ss-solucoes.com

domingo, 27 de setembro de 2015

William Shakespeare - Sonnet 18




William Shakespeare - Sonnet 18

Poesia em Inglês com Legenda em Português



William Shakespeare - Sonnet 18


Shall I compare thee to a summer's day?
Thou art more lovely and more temperate:
Rough winds do shake the darling buds of May,v
And summer's lease hath all too short a date:

Sometime too hot the eye of heaven shines,
And often is his gold complexion dimm'd;
And every fair from fair sometime declines,
By chance, or nature's changing course, untrimm'd;

But thy eternal summer shall not fade
Nor lose possession of that fair thou ow'st;
Nor shall Death brag thou wander'st in his shade,
When in eternal lines to time thou grow'st;

So long as men can breathe or eyes can see,
So long lives this, and this gives life to thee.

William Shakespeare(1564—1616)

was an English poet, playwright and actor.




William Shakespeare - Soneto 18 (PT)


Como hei de comparar-te a um dia de verão?
És muito mais amável e mais amena:
Os ventos sopram os doces botões de maio,
E o verão finda antes que possamos começá-lo:

Por vezes, o sol lança seus cálidos raios,
Ou esconde o rosto dourado sob a névoa;
E tudo que é belo um dia acaba,
Seja pelo acaso ou por sua natureza;

Mas teu eterno verão jamais se extingue,
Nem perde o frescor que só tu possuis;
Nem a Morte virá arrastar-te sob a sombra,
Quando os versos te elevarem à eternidade:

Enquanto homens houver, e olhos puderem ver,
Meu verso há de viver, e vida te dará.

William Shakespeare(1564—1616) foi um poeta e dramaturgo inglês.















Links


Sanderlei Silveira (website)

Curso de Inglês (Blogger)

Curso de Espanhol (Blogger)

Audio Livro (Blogger)

Audio Book (Blogger)

Euclides da Cunha - Os Sertões (Blogger)

Lima Barreto - Contos (Blogger)

Poesia (PT) - Poetry (EN) - Poesía (ES) - Poésie (FR) (Blogger)

Poetry (EN) - Poesia (PT) - Poesía (ES) - Poésie (FR) (Blogger)

Poesía (ES) - Poetry (EN) - Poesia (PT) - Poésie (FR) (Blogger)

ssconsult.com.br

ss-solucoes.com

sábado, 26 de setembro de 2015

Walt Whitman - Song of myself



Walt Whitman - Song of myself


Poesia em Inglês com Legenda em Português



Song of myself - Walt Whitman


I celebrate myself, and sing myself,
And what I assume you shall assume,
For every atom belonging to me as good belongs to you.
I loafe and invite my soul,
I lean and loafe at my ease observing a spear of summer grass.

My tongue, every atom of my blood, form’d from this soil, this air,
Born here of parents born here from parents the same, and their parents the same,
I, now thirty-seven years old in perfect health begin,
Hoping to cease not till death.

Creeds and schools in abeyance,
Retiring back a while sufficed at what they are, but never forgotten,
I harbor for good or bad, I permit to speak at every hazard,
Nature without check with original energy.

Walt Whitman (1819–1892)

was an American poet, essayist and journalist.




Walt Whitman - Canção de Mim Mesmo (PT)


Eu celebro o eu, num canto de mim mesmo,
E aquilo que eu presumir também presumirás,
Pois cada átomo que há em mim igualmente habita em ti.
Descanso e convido a minha alma,
Deito-me e descanso tranqüilamente, observando uma haste da relva de verão.

Minha língua, todo átomo do meu sangue formado deste solo, deste ar,
Nascido aqui de pais nascidos aqui de pais o mesmo e seus pais também o mesmo,
Eu agora com trinta e sete anos de idade, com saúde perfeita, dou início,
Com a esperança de não cessar até morrer.

Crenças e escolas quedam-se dormentes
Retraindo-se por hora na suficiência do que não, mas nunca esquecidas,
Eu me refugio pelo bem e pelo mal, eu permito que se fale em qualquer casualidade,
A natureza sem estorvo, com energia original.

Walt Whitman (1819–1892) foi um poeta americano.













Links


Sanderlei Silveira (website)

Curso de Inglês (Blogger)

Curso de Espanhol (Blogger)

Audio Livro (Blogger)

Audio Book (Blogger)

Euclides da Cunha - Os Sertões (Blogger)

Lima Barreto - Contos (Blogger)

Poesia (PT) - Poetry (EN) - Poesía (ES) - Poésie (FR) (Blogger)

Poetry (EN) - Poesia (PT) - Poesía (ES) - Poésie (FR) (Blogger)

Poesía (ES) - Poetry (EN) - Poesia (PT) - Poésie (FR) (Blogger)

ssconsult.com.br

ss-solucoes.com



Robert Burns - A Red, Red Rose




Robert Burns - A Red, Red Rose

Poesia em Inglês com Legenda em Português




Robert Burns - A Red, Red Rose


O my Luve's like a red, red rose,
That's newly sprung in June:
O my Luve's like the melodie,
That's sweetly play'd in tune.

As fair art thou, my bonie lass,
So deep in luve am I;
And I will luve thee still, my dear,
Till a' the seas gang dry.

Till a' the seas gang dry, my dear,
And the rocks melt wi' the sun;
And I will luve thee still, my dear,
While the sands o' life shall run.

And fare-thee-weel, my only Luve!
And fare-thee-weel, a while!
And I will come again, my Luve,
Tho' 'twere ten thousand mile!



Robert Burns - Uma rosa vermelha (PT)


O meu amor é como uma rosa vermelha,
Que acaba de florescer em Junho.
O meu amor é como uma melodia
Docemente tocada com harmonia.

Tão bela tu és, minha maravilhosa donzela,
Tão profundamente apaixonado eu estou
Que eu te amarei ainda, minha amada,
Até que todos os mares sequem.

Até que todos os mares sequem, minha amada.
E as rochas se fundam com o sol;
E eu te amarei ainda, minha amada,
Enquanto as areias da vida correrem.

Mas adeus, meu único amor,
Oh, adeus por algum tempo,
E eu regressarei, meu amor,
Ainda que dez mil léguas nos separem.

Robert Burns (1759–1796)

Foi um poeta Escocês.













Links


Sanderlei Silveira (website)

Curso de Inglês (Blogger)

Curso de Espanhol (Blogger)

Audio Livro (Blogger)

Audio Book (Blogger)

Euclides da Cunha - Os Sertões (Blogger)

Lima Barreto - Contos (Blogger)

Poesia (PT) - Poetry (EN) - Poesía (ES) - Poésie (FR) (Blogger)

Poetry (EN) - Poesia (PT) - Poesía (ES) - Poésie (FR) (Blogger)

Poesía (ES) - Poetry (EN) - Poesia (PT) - Poésie (FR) (Blogger)

ssconsult.com.br

ss-solucoes.com

sexta-feira, 25 de setembro de 2015

Robert Frost - The Road Not Taken





Robert Frost - The Road Not Taken

Poesia em Inglês com Legenda em Português





Robert Frost - The Road Not Taken


Two roads diverged in a yellow wood,
And sorry I could not travel both
And be one traveler, long I stood
And looked down one as far as I could
To where it bent in the undergrowth;

Then took the other, as just as fair,
And having perhaps the better claim,
Because it was grassy and wanted wear;
Though as for that the passing there
Had worn them really about the same,

And both that morning equally lay
In leaves no step had trodden black.
Oh, I kept the first for another day!
Yet knowing how way leads on to way,
I doubted if I should ever come back.

I shall be telling this with a sigh
Somewhere ages and ages hence:
Two roads diverged in a wood, and I—
I took the one less traveled by,
And that has made all the difference.



Robert Frost - O caminho não percorrido (PT)


Dois caminhos divergiam num bosque amarelo
Triste por não poder seguir os dois
E por ser apenas um viajante, segui
Um deles o mais longe que pude com o olhar,
Até o ponto onde ele se perde no mato

Tomei o outro que me pareceu mais belo,
Oferecendo talvez a vantagem
De uma relva que se podia pisar,
Embora o estado de ambos fosse o mesmo
E naquela manhã eles fossem iguais

Ambos estavam sob relvas que nenhum passo
Enegrecera. Oh deixei
Para outra vez o primeiro!
Mas como sabia que ao caminho se juntam
Os caminhos, duvidei que um dia voltasse.

Hei de contar isto suspirando,
Daqui a muito tempo, nalgum lugar:
Dois caminhos divergiam num bosque, e eu
Segui o menos trilhado,
E foi o que fez toda a diferença.

Robert Lee Frost (1874-1963)

Foi um dos mais importantes poetas dos Estados Unidos do século XX.












Links


Sanderlei Silveira (website)

Curso de Inglês (Blogger)

Curso de Espanhol (Blogger)

Audio Livro (Blogger)

Audio Book (Blogger)

Euclides da Cunha - Os Sertões (Blogger)

Lima Barreto - Contos (Blogger)

Poesia (PT) - Poetry (EN) - Poesía (ES) - Poésie (FR) (Blogger)

Poetry (EN) - Poesia (PT) - Poesía (ES) - Poésie (FR) (Blogger)

Poesía (ES) - Poetry (EN) - Poesia (PT) - Poésie (FR) (Blogger)

ssconsult.com.br

ss-solucoes.com

quinta-feira, 24 de setembro de 2015

Cesário Verde - Num Bairro Moderno






Cesário Verde - Num Bairro Moderno

Poesia em Português - Portugal




Cesário Verde - Num Bairro Moderno


Dez horas da manhã; os transparentes
Matizam uma casa apalaçada;
Pelos jardins estancam-se as nascentes,
E fere a vista, com brancuras quentes,
A larga rua macadamizada.

Rez-de-chaussée repousam sossegados,
Abriram-se, nalguns, as persianas,
E dum ou doutro, em quartos estucados,
Ou entre a rama do papéis pintados,
Reluzem, num almoço, as porcelanas.

Como é saudável ter o seu conchego,
E a sua vida fácil! Eu descia,
Sem muita pressa, para o meu emprego,
Aonde agora quase sempre chego
Com as tonturas duma apoplexia.

E rota, pequenina, azafamada,
Notei de costas uma rapariga,
Que no xadrez marmóreo duma escada,
Como um retalho da horta aglomerada
Pousara, ajoelhando, a sua giga.

E eu, apesar do sol, examinei-a.
Pôs-se de pé, ressoam-lhe os tamancos;
E abre-se-lhe o algodão azul da meia,
Se ela se curva, esguelhada, feia,
E pendurando os seus bracinhos brancos.

Do patamar responde-lhe um criado:
"Se te convém, despacha; não converses.
Eu não dou mais." È muito descansado,
Atira um cobre lívido, oxidado,
Que vem bater nas faces duns alperces.

Subitamente - que visão de artista! -
Se eu transformasse os simples vegetais,
À luz do Sol, o intenso colorista,
Num ser humano que se mova e exista
Cheio de belas proporções carnais?!

Bóiam aromas, fumos de cozinha;
Com o cabaz às costas, e vergando,
Sobem padeiros, claros de farinha;
E às portas, uma ou outra campainha
Toca, frenética, de vez em quando.

E eu recompunha, por anatomia,
Um novo corpo orgânico, ao bocados.
Achava os tons e as formas. Descobria
Uma cabeça numa melancia,
E nuns repolhos seios injetados.

As azeitonas, que nos dão o azeite,
Negras e unidas, entre verdes folhos,
São tranças dum cabelo que se ajeite;
E os nabos - ossos nus, da cor do leite,
E os cachos de uvas - os rosários de olhos.

Há colos, ombros, bocas, um semblante
Nas posições de certos frutos. E entre
As hortaliças, túmido, fragrante,
Como alguém que tudo aquilo jante,
Surge um melão, que lembrou um ventre.

E, como um feto, enfim, que se dilate,
Vi nos legumes carnes tentadoras,
Sangue na ginja vívida, escarlate,
Bons corações pulsando no tomate
E dedos hirtos, rubros, nas cenouras.

O Sol dourava o céu. E a regateira,
Como vendera a sua fresca alface
E dera o ramo de hortelã que cheira,
Voltando-se, gritou-me, prazenteira:
"Não passa mais ninguém!... Se me ajudasse?!..."

Eu acerquei-me dela, sem desprezo;
E, pelas duas asas a quebrar,
Nós levantamos todo aquele peso
Que ao chão de pedra resistia preso,
Com um enorme esforço muscular.

"Muito obrigada! Deus lhe dê saúde!"
E recebi, naquela despedida,
As forças, a alegria, a plenitude,
Que brotam dum excesso de virtude
Ou duma digestão desconhecida.

E enquanto sigo para o lado oposto,
E ao longe rodam umas carruagens,
A pobre, afasta-se, ao calor de agosto,
Descolorida nas maçãs do rosto,
E sem quadris na saia de ramagens.

Um pequerrucho rega a trepadeira
Duma janela azul; e, com o ralo
Do regador, parece que joeira
Ou que borrifa estrelas; e a poeira
Que eleva nuvens alvas a incensá-lo.

Chegam do gigo emanações sadias,
Ouço um canário - que infantil chilrada!
Lidam ménages entre as gelosias,
E o sol estende, pelas frontarias,
Seus raios de laranja destilada.

E pitoresca e audaz, na sua chita,
O peito erguido, os pulsos nas ilhargas,
Duma desgraça alegre que me incita,
Ela apregoa, magra, enfezadita,
As suas couves repolhudas, largas.

E, como as grossas pernas dum gigante,
Sem tronco, mas atléticas, inteiras,
Carregam sobre a pobre caminhante,
Sobre a verdura rústica, abundante,
Duas frugais abóboras carneiras.

José Joaquim Cesário Verde (1855-1886)

foi um poeta português.








Links


Sanderlei Silveira (website)

Curso de Inglês (Blogger)

Curso de Espanhol (Blogger)

Audio Livro (Blogger)

Audio Book (Blogger)

Euclides da Cunha - Os Sertões (Blogger)

Lima Barreto - Contos (Blogger)

Poesia (PT) - Poetry (EN) - Poesía (ES) - Poésie (FR) (Blogger)

Poetry (EN) - Poesia (PT) - Poesía (ES) - Poésie (FR) (Blogger)

Poesía (ES) - Poetry (EN) - Poesia (PT) - Poésie (FR) (Blogger)

ssconsult.com.br

ss-solucoes.com

quarta-feira, 23 de setembro de 2015

Luís Vaz de Camões - Alma minha gentil que te partiste





Luís Vaz de Camões  - Alma minha gentil que te partiste

Poesia em Português - Portugal


Luís Vaz de Camões - Alma minha gentil que te partiste


Alma minha gentil, que te partiste
Tão cedo desta vida descontente,
Repousa lá no Céu eternamente,
E viva eu cá na terra sempre triste.

Se lá no assento Etéreo, onde subiste,
Memória desta vida se consente,
Não te esqueças daquele amor ardente,
Que já nos olhos meus tão puro viste.

E se vires que pode merecer-te
Algua cousa a dor que me ficou
Da mágoa, sem remédio, de perder-te,

Roga a Deus, que teus anos encurtou,
Que tão cedo de cá me leve a ver-te,
Quão cedo de meus olhos te levou.

Luís Vaz de Camões (1524—1580)

foi um poeta de Portugal,

considerado uma das maiores figuras da literatura em língua portuguesa

e um dos grandes poetas do Ocidente.











Links


Sanderlei Silveira (website)

Curso de Inglês (Blogger)

Curso de Espanhol (Blogger)

Audio Livro (Blogger)

Audio Book (Blogger)

Euclides da Cunha - Os Sertões (Blogger)

Lima Barreto - Contos (Blogger)

Poesia (PT) - Poetry (EN) - Poesía (ES) - Poésie (FR) (Blogger)

Poetry (EN) - Poesia (PT) - Poesía (ES) - Poésie (FR) (Blogger)

Poesía (ES) - Poetry (EN) - Poesia (PT) - Poésie (FR) (Blogger)

ssconsult.com.br

ss-solucoes.com

terça-feira, 22 de setembro de 2015

Augusto Gil - Balada da Neve





Augusto Gil - Balada da Neve

Poesia em Português - Portugal


Augusto Gil - Balada da Neve


Batem leve, levemente,
como quem chama por mim.
Será chuva? Será gente?
Gente não é, certamente
e a chuva não bate assim.

É talvez a ventania:
mas há pouco, há poucochinho,
nem uma agulha bulia
na quieta melancolia
dos pinheiros do caminho…

Quem bate, assim, levemente,
com tão estranha leveza,
que mal se ouve, mal se sente?
Não é chuva, nem é gente,
nem é vento com certeza.

Fui ver. A neve caía
do azul cinzento do céu,
branca e leve, branca e fria…
Há quanto tempo a não via!
E que saudades, Deus meu!

Olho-a através da vidraça.
Pôs tudo da cor do linho.
Passa gente e, quando passa,
os passos imprime e traça
na brancura do caminho…

Fico olhando esses sinais
da pobre gente que avança,
e noto, por entre os mais,
os traços miniaturais
duns pezitos de criança…

E descalcinhos, doridos…
a neve deixa inda vê-los,
primeiro, bem definidos,
depois, em sulcos compridos,
porque não podia erguê-los!…

Que quem já é pecador
sofra tormentos, enfim!
Mas as crianças, Senhor,
porque lhes dais tanta dor?!…
Porque padecem assim?!…

E uma infinita tristeza,
uma funda turbação
entra em mim, fica em mim presa.
Cai neve na Natureza
e cai no meu coração.

Augusto César Ferreira Gil (1873-1929)

foi um advogado e poeta português.










Links


Sanderlei Silveira (website)

Curso de Inglês (Blogger)

Curso de Espanhol (Blogger)

Audio Livro (Blogger)

Audio Book (Blogger)

Euclides da Cunha - Os Sertões (Blogger)

Lima Barreto - Contos (Blogger)

Poesia (PT) - Poetry (EN) - Poesía (ES) - Poésie (FR) (Blogger)

Poetry (EN) - Poesia (PT) - Poesía (ES) - Poésie (FR) (Blogger)

Poesía (ES) - Poetry (EN) - Poesia (PT) - Poésie (FR) (Blogger)

ssconsult.com.br

ss-solucoes.com

segunda-feira, 21 de setembro de 2015

Florbela Espanca - Este Livro




Florbela Espanca - Este Livro

Poesia em Português - Portugal



Florbela Espanca - Este Livro


Este livro é de mágoas. Desgraçados
Que no mundo passais, chorai ao lê-lo!
Somente a vossa dor de Torturados
Pode, talvez, senti-lo... e compreendê-lo.

Este livro é para vós. Abençoados
Os que o sentirem , sem ser bom nem belo!
Bíblia de tristes... Ó Desventurados,
Que a vossa imensa dor se acalme ao vê-lo!

Livro de Mágoas... Dores... Ansiedades!
Livro de Sombras... Névoas e Saudades!
Vai pelo mundo... (Trouxe-o no meu seio...)

Irmãos na Dor, os olhos rasos de água,
Chorai comigo a minha imensa mágoa,
Lendo o meu livro só de mágoas cheio!...

Florbela Espanca (1894-1930)

foi uma poetisa portuguesa.










Links


Sanderlei Silveira (website)

Curso de Inglês (Blogger)

Curso de Espanhol (Blogger)

Audio Livro (Blogger)

Audio Book (Blogger)

Euclides da Cunha - Os Sertões (Blogger)

Lima Barreto - Contos (Blogger)

Poesia (PT) - Poetry (EN) - Poesía (ES) - Poésie (FR) (Blogger)

Poetry (EN) - Poesia (PT) - Poesía (ES) - Poésie (FR) (Blogger)

Poesía (ES) - Poetry (EN) - Poesia (PT) - Poésie (FR) (Blogger)

ssconsult.com.br

ss-solucoes.com

domingo, 20 de setembro de 2015

Mário de Sá-Carneiro - Quase




Mário de Sá-Carneiro - Quase

Poesia em Português - Portugal


Mário de Sá-Carneiro - Quase


Um pouco mais de sol - eu era brasa,
Um pouco mais de azul - eu era além.
Para atingir, faltou-me um golpe de asa...
Se ao menos eu permanecesse aquém...

Assombro ou paz? Em vão... Tudo esvaído
Num grande mar enganador de espuma;
E o grande sonho despertado em bruma,
O grande sonho - ó dor! - quase vivido...

Quase o amor, quase o triunfo e a chama,
Quase o princípio e o fim - quase a expansão...
Mas na minh'alma tudo se derrama...
Entanto nada foi só ilusão!

De tudo houve um começo ... e tudo errou...
- Ai a dor de ser - quase, dor sem fim...
Eu falhei-me entre os mais, falhei em mim,
Asa que se elançou mas não voou...

Momentos de alma que,desbaratei...
Templos aonde nunca pus um altar...
Rios que perdi sem os levar ao mar...
Ânsias que foram mas que não fixei...

Se me vagueio, encontro só indícios...
Ogivas para o sol - vejo-as cerradas;
E mãos de herói, sem fé, acobardadas,
Puseram grades sobre os precipícios...

Num ímpeto difuso de quebranto,
Tudo encetei e nada possuí...
Hoje, de mim, só resta o desencanto
Das coisas que beijei mas não vivi...

Um pouco mais de sol - e fora brasa,
Um pouco mais de azul - e fora além.
Para atingir faltou-me um golpe de asa...
Se ao menos eu permanecesse aquém...

Mário de Sá-Carneiro (1890-1916)

foi um poeta português e um dos grandes expoentes

do modernismo em Portugal.








Links


Sanderlei Silveira (website)

Curso de Inglês (Blogger)

Curso de Espanhol (Blogger)

Audio Livro (Blogger)

Audio Book (Blogger)

Euclides da Cunha - Os Sertões (Blogger)

Lima Barreto - Contos (Blogger)

Poesia (PT) - Poetry (EN) - Poesía (ES) - Poésie (FR) (Blogger)

Poetry (EN) - Poesia (PT) - Poesía (ES) - Poésie (FR) (Blogger)

Poesía (ES) - Poetry (EN) - Poesia (PT) - Poésie (FR) (Blogger)

ssconsult.com.br

ss-solucoes.com

sábado, 19 de setembro de 2015

Jose Regio - Cantico Negro





Jose Regio - Cantico Negro

Poesia em Português - Portugal


Jose Regio - Cantico Negro


"Vem por aqui" — dizem-me alguns com os olhos doces
Estendendo-me os braços, e seguros
De que seria bom que eu os ouvisse
Quando me dizem: "vem por aqui!"
Eu olho-os com olhos lassos,
(Há, nos olhos meus, ironias e cansaços)

E cruzo os braços,
E nunca vou por ali...
A minha glória é esta:
Criar desumanidades!
Não acompanhar ninguém.

— Que eu vivo com o mesmo sem-vontade
Com que rasguei o ventre à minha mãe
Não, não vou por aí! Só vou por onde
Me levam meus próprios passos...
Se ao que busco saber nenhum de vós responde
Por que me repetis: "vem por aqui!"?

Prefiro escorregar nos becos lamacentos,
Redemoinhar aos ventos,
Como farrapos, arrastar os pés sangrentos,
A ir por aí...

Se vim ao mundo, foi
Só para desflorar florestas virgens,
E desenhar meus próprios pés na areia inexplorada!
O mais que faço não vale nada.

Como, pois, sereis vós
Que me dareis impulsos, ferramentas e coragem
Para eu derrubar os meus obstáculos?...
Corre, nas vossas veias, sangue velho dos avós,
E vós amais o que é fácil!
Eu amo o Longe e a Miragem,
Amo os abismos, as torrentes, os desertos...

Ide! Tendes estradas,
Tendes jardins, tendes canteiros,
Tendes pátria, tendes tetos,
E tendes regras, e tratados, e filósofos, e sábios...
Eu tenho a minha Loucura !

Levanto-a, como um facho, a arder na noite escura,
E sinto espuma, e sangue, e cânticos nos lábios...
Deus e o Diabo é que guiam, mais ninguém!
Todos tiveram pai, todos tiveram mãe;
Mas eu, que nunca principio nem acabo,
Nasci do amor que há entre Deus e o Diabo.

Ah, que ninguém me dê piedosas intenções,
Ninguém me peça definições!
Ninguém me diga: "vem por aqui"!
A minha vida é um vendaval que se soltou,

É uma onda que se alevantou,
É um átomo a mais que se animou...
Não sei por onde vou,
Não sei para onde vou
Sei que não vou por aí!

José Régio, pseudônimo literário de

José Maria dos Reis Pereira(1901-1969)

foi um escritor português.






Links


Sanderlei Silveira (website)

Curso de Inglês (Blogger)

Curso de Espanhol (Blogger)

Audio Livro (Blogger)

Audio Book (Blogger)

Euclides da Cunha - Os Sertões (Blogger)

Lima Barreto - Contos (Blogger)

Poesia (PT) - Poetry (EN) - Poesía (ES) - Poésie (FR) (Blogger)

Poetry (EN) - Poesia (PT) - Poesía (ES) - Poésie (FR) (Blogger)

Poesía (ES) - Poetry (EN) - Poesia (PT) - Poésie (FR) (Blogger)

ssconsult.com.br

ss-solucoes.com

sexta-feira, 18 de setembro de 2015

Bocage - Já Bocage não sou!... À cova escura





Bocage - Já Bocage não sou!... À cova escura

Poesia em Português - Portugal



Bocage - Já Bocage não sou!... À cova escura


Já Bocage não sou!... À cova escura
Meu estro vai parar desfeito em vento...
Eu aos céus ultrajei! O meu tormento
Leve me torne sempre a terra dura.

Conheço agora já quão vã figura
Em prosa e verso fez meu louco intento.
Musa!... Tivera algum merecimento,
Se um raio da razão seguisse, pura!

Eu me arrependo; a língua quase fria
Brade em alto pregão à mocidade,
Que atrás do som fantástico corria:

Outro Aretino fui... A santidade
Manchei!... Oh! Se me creste, gente ímpia,
Rasga meus versos, crê na eternidade!

Manuel Maria de Barbosa l'Hedois du Bocage (1765-1805)

foi um poeta português e o maior representante do arcadismo lusitano.











Links


Sanderlei Silveira (website)

Curso de Inglês (Blogger)

Curso de Espanhol (Blogger)

Audio Livro (Blogger)

Audio Book (Blogger)

Euclides da Cunha - Os Sertões (Blogger)

Lima Barreto - Contos (Blogger)

Poesia (PT) - Poetry (EN) - Poesía (ES) - Poésie (FR) (Blogger)

Poetry (EN) - Poesia (PT) - Poesía (ES) - Poésie (FR) (Blogger)

Poesía (ES) - Poetry (EN) - Poesia (PT) - Poésie (FR) (Blogger)

ssconsult.com.br

ss-solucoes.com